terça-feira, 31 de maio de 2011

Salão do Encontro em Betim




O Serviço Assistencial Salão do Encontro é uma organização de direito privado e sem fins lucrativos que promove a cidadania por meio da arte.

Em 40 anos de atuação, a entidade busca a erradicação da pobreza e a dignidade de vida oferecendo educação, capacitação, cuidados com a saúde e moradia à população carente da cidade de Betim, a 30 quilômetros de Belo Horizonte. Tudo isso com foco na arte e no fazer artesanal, preservando sua tradição e resgatando no cidadão carente a auto-estima, preparando-o para trilhar seu próprio caminho.

Pela competência, seriedade e qualidade do trabalho desenvolvido que o Salão do Encontro representa, na atualidade, um "Centro de Referência Educacional e de Difusão da Arte Popular”. Ao preservar e valorizar uma arte que historicamente remete às origens do estado de Minas Gerais, a entidade conquista seu espaço, promove cultura e forma pessoas para a vida.

História

Há 40 anos, Dona Noemi, apoiada pelo amigo Frei Stanislau Bartold, decidiu enfrentar a pobreza e a miséria, levando dignidade à população carente de Betim, cidade próxima de Belo Horizonte, que cresceu de forma desordenada, o que resultou em sérios problemas sociais.

No local foi construído inicialmente um pequeno galpão rústico, onde funcionava uma cozinha que distribuía sopa às pessoas necessitadas.

Professora Noemi Gontijo

Fundadora e dirigente do Serviço Assistencial Salão do Encontro, há 40 anos Dona Noemi dedica-se à promoção social no município de Betim. Por meio de sua dinâmica atuação, o Salão do Encontro é hoje um centro de referência de produção artesanal no Estado de Minas Gerais, destacando-se também no atendimento e promoção da criança, do adolescente, do jovem e do idoso.

Os trabalhos sociais realizados pelo Salão do Encontro em prol da população carente são reconhecidos em nível nacional e internacional, e foram responsáveis por diversos prêmios concedidos à entidade.

Programas

Inicialmente, o Salão do Encontro constituiu-se de um espaço para que moradores de um bairro periférico de Betim, quase rural naquela época, pudessem ter uma alternativa para se capacitarem e ingressarem ao mercado de trabalho.

Desde sua fundação, o Salão desenvolveu sua vocação institucional com as famílias. Assim, sempre considerou a participação de todos os membros da família: avós, mães, pais, filhos, em sua construção.

Este pensamento de trabalho centrado na família exigiu que o Salão ampliasse as suas atividades para pessoas de diferentes idades, necessidades e demandas, surgindo os programas permanentes.

Através destes programas, o Salão do Encontro estabeleceu uma linha de trabalho com olhos voltados para a sustentabilidade dos indivíduos acolhidos inicialmente em situação de risco.

Fonte: http://www.salaodoencontro.org.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário